UniRovuma vai monitorar a implementação de medidas de prevenção

A Universidade Rovuma vai monitorar, de forma constante, as medidas de prevenção do contágio do coronavírus, introduzidas e observadas no quadro do reinício das aulas presenciais a decorrer desde 31 de Agosto em todas as unidades orgânicas da instituição.

A garantia foi dada pelo Prof. Doutor Adelino Inácio Assane, diretor Académico da UniRovuma, falando à Comunicação Social, no Campus Universitário de Napipine, na cidade de Nampula.

Segundo Adelino Assane, a monitoria, provavelmente diária, visa detectar eventuais erros que possam decorrer nesta primeira fase da retomada das aulas, para corrigi-los na fase posterior que começa em Outubro próximo.

Contudo, a fonte disse que nos primeiros dois dias do reinício da actividade lectiva não se tinham constatado quaisquer anomalias. Embora não tenhamos detectado qualquer anomalia na observância dessas medidas, vamos controlar a situação de forma permanente, assegurou Adelino Assane.

Ele manifestou-se satisfeito com os dois dias das aulas, afirmando que mais de metade dos estudantes abrangidos por esta fase, os do quarto e quinto anos, compareceram as aulas em todas unidades orgânicas, nomeadamente, as Extensões de Cabo Delgado e Niassa e o Instituto Superior de Transportes, Turismo e Comunicações, em Nacala – Porto.

Estão envolvidos nesta fase mais de 3.700 estudantes das unidades orgânicas supramencionadas, entre os dos cursos laborais e pós-laborais.

Antes do reinício das aulas, os docentes e estudantes foram submetidos a uma formação de como observarem o protocolo sanitário, trabalho que coube a equipas médicas da Direção Provincial da Saúde.

Aliás, o Prof. Adelino Inácio explicou que a UniRovuma está a coordenar com as autoridades sanitárias para reportar-lhes eventuais casos de infecção que forem detectados na instituição, onde, igualmente, foi aberto uma sala de isolamento, principalmente no Campus de Napipine.

Uma ronda que efectuamos na manhã de Terça-feira notamos que os estudantes estão a observar as medidas de prevenção, embora nalguns casos houvessem discentes que tentaram conversar num conjunto de cinco deles ou mais.

Unidades orgânicas sem problemas relevantes

Nas unidades orgânicas da UniRovuma, concretamente nas Extensões de Cabo Delgado e Niassa e no Instituto Superior de Transportes, Turismo e Comunicações de Nacala-Porto, as aulas são descritas como estando a decorrer normalmente, sem anormalidades que possam pôr em causa a sua continuidade nesta primeira fase.

O Prof. Doutor Geraldo Macalane, director da Extensão de Cabo Delgado, confirmou-nos que nesta primeira fase as aulas estão a decorrer sem sobressaltos, pois ninguém, ainda, foi detectado como estando infectado por este vírus letal.

Segundo o director, dos testes feitos aos estudantes até ao momento só se suspeita de um deles, do curso de Psicologia, que acusou temperaturas altas após medição na única entrada estabelecida e que dá acesso ao pátio do campus.

O referido estudante encontra-se em quarentena na sua residência e, de acordo com     o    Prof. Macalane, não teve qualquer contacto com seus colegas, pelo menos no recinto universitário.

A fonte explicou que as autoridades sanitárias locais disponibilizaram à Extensão fichas para preenchimento diário relatando o curso de testagens feitas na base de termómetros existentes na instituição.

Felizmente, não temos tido casos alarmantes se não a experiência acima relatada, precisou Macalane, o qual se queixou, por outro lado, da teimosia de alguns estudantes que, embora observem de forma rigorosa outras medidas de prevenção, se opõem à compra de viseiras produzidas pela Extensão e vendidas a 35 meticais cada. Apesar disso, estamos num bom caminho, resumiu o diretor da Extensão de Cabo Delgado.

Na Extensão do Niassa, segundo a respectiva directora, Prof. Doutora Alice Freia, um estudante de um dos cursos no período laboral acusou positivo para Covid-19 após realizar testes, mas a instituição tomou todas cautelas para isolá-lo do meio estudantil e submetê-lo ao tratamento médico.

Fora desta situação, as aulas decorrem normalmente, cumprindo-se com as medidas de prevenção estabelecidas, embora se registe, de acordo com a Prof. Freia, ao que descreveu como ligeira dificuldade na observância de distanciamento físico quando os discentes estão fora das salas de aulas.

Nesta primeira fase estão abrangidos 656 estudantes dos cursos laborais e pós-laborais, distribuídos por 26 salas, sendo 16 diurnas e as restantes nocturnas.

Os módulos previamente preparados para esta fase já foram concluídos e os docentes estão a fazer a recapitulação da matéria e avaliações, explicou Alice Freia.

Por seu turno, no Instituto Superior de Transportes, Turismo e Comunicações não se registou, até ao momento, qualquer caso suspeito e/ou sintomas, estando as actividades lectivas e administrativas a decorrer sem sobressaltos.

 

Estão abrangidos nesta fase 91 estudantes dos períodos laboral e pós-laboral, distribuídos pelos cursos de Educação Visual, Informática, Construção Civil e Gestão Ambiental e Desenvolvimento Comunitário (GADEC), segundo o director do Instituto, Prof. Doutor Albino Massimaculo.

A par do processo de ensino, decorrem, igualmente e sem constrangimentos, defesas de trabalhos de final de curso (monografias) e exames de conclusão de curso, observando-se, de forma rigorosa, as medidas de prevenção de contágio pelo Covid-19.

Aliás, nas palavras do Prof. Massimaculo, o Instituto decidiu alocar aos docentes, de forma individual, os apagadores e marcadores de quadro como uma das formas de evitar a infecção por esta mortífera doença.


Imprimir